Contacto WhatsApp 963640100

Universidade Lusófona

As Mulheres e a Ciência

A crescente participação feminina é sem dúvida um indicador do papel determinante que as mulheres têm...

Lina Lopes


Estudos realizados em vários países indicam que 44% das profissões atuais vão desaparecer e 75% das profissões com maior crescimento até 2020 exigem um elevado nível de conhecimento em Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática (CTEM). Os sistemas de ensino estão a revelar enorme dificuldade em acompanhar esta evolução e prevê-se que até 2020 vários milhões de vagas nesta área não serão preenchidas, com importantes prejuízos para a economia. Um estudo realizado recentemente na Austrália estimou que se fosse possível transferir 1% da força de trabalho para a área das CTEM, o PIB teria um incremento de 5% nos anos seguintes.

Vários países têm tomado medidas para fazer face a este cenário. Os Estados Unidos, por exemplo, aprovaram em 2013 um plano estratégico de 5 anos para a educação na área das CTEM. Portugal carece ainda de uma estratégia política nesta área, mas várias iniciativas da sociedade civil têm emergido para fazer face a esta prioridade. Entre elas avultam os Encontros Internacionais da Casa das Ciências, cuja terceira edição, realizada nos dias 11, 12 e 13 do passado mês de julho, no Porto, obteve o reconhecimento conferido pelo Alto Patrocínio do Presidente da República.

O Encontro deste ano foi dedicado ao Ensino das Ciências para a Sociedade do Conhecimento e contou com a participação de professores de todos os níveis de ensino, sobretudo do ensino secundário e superior. Desde a primeira edição o número de participantes quase duplicou, passando de 244 para 438 participantes.

Tendo acompanhado com interesse a evolução desta iniciativa, patrocinada no seu lançamento pela Fundação Calouste Gulbenkian, não posso deixar de constatar que as mulheres ligadas ao ensino na área das CTEM têm sido um dos fatores mais dinâmicos desta evolução. A participação feminina aumentou substancialmente desde o primeiro encontro, passando de 66% para 77% dos participantes. Assinalável é também a participação das mulheres na qualidade de oradoras nas conferências, painéis e workshops que, do segundo para o terceiro encontro, cresceu cerca de 70%.

A crescente participação feminina é sem dúvida um indicador do papel determinante que as mulheres têm na formação dos futuros profissionais nas áreas da Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática.

Lina Lopes
Docente da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias