Contacto WhatsApp 963640100

Universidade Lusófona

Um grande diálogo entre alunos e profissionais

Workshops, debates e muitos conselhos marcaram a V Semana de Comunicação, Artes e Tecnologias.

Durante cinco dias, alunos, professores e profissionais da área de comunicação juntaram-se, em conferências e workshops, com o objetivo de analisar e debater o tema sobre o qual a V Semana de Comunicação, Artes e Tecnologias se debruçou: "Media, Criatividade e Migrações".

Na primeira conferência da semana, Walter Dean, professor e orientador de jornalistas de todo o mundo, alerta para uma menor segurança dentro das redações. Num paradigma em que "a informação circula de forma caótica" e "a edição é cada vez mais desleixada", Walter sublinha a importância da "lealdade dos jornalistas para com a verdade e a audiência".

Fronteiras da Comunicação e como ser um "Repórter Portátil"

Ainda no primeiro dia, num painel moderado por Carla Cardoso, professora da Lusófona, os convidados debateram aquelas que são para eles as fronteiras da comunicação.

Luis Paixão Martins, fundador da agência LPM Comunicação, refere como as fontes se transformaram num negócio empresarial, através da venda das mesmas. Este sublinha ainda que é difícil delimitar as fronteiras da comunicação.


Já Carolina Reis, jornalista do jornal Expresso, conta como na sua entrada para o Expresso foi solicitada não só para escrever, mas também para produzir conteúdos multimédia, e refere que é cada vez mais comum esta combinação de tarefas nas redações. Para Carolina, a relação entre jornalistas e agências de comunicação está na origem da crise do jornalismo, e são muitas as fronteiras na comunicação.

Numa profissão em que, como pudemos retirar do painel "Fronteiras da Comunicação", temos de ser cada vez mais multifacetados, a aquisição de competências nunca é demais. Como tal, Álvaro Filho demonstra tudo o que é preciso para ser um repórter portátil, apenas com um smartphone. As técnicas, os ângulos, a postura e a aplicação, tudo isto num workshop interativo e divertido.

Migrar na rádio e heróis que deixam de ser anónimos

No painel de dia 21 de Março, Rui Pego, Ricardo Oliveira, José Paulo Peres e Nuno Faleiro da Silva falam de como é importante e como pode ser útil, numa época "dominada" pelas tecnologias, aprender a dar uso à internet, um meio cada vez mais usado para fazer rádio.

Já no dia 22, terceiro dia da semana, é apresentado o livro "Heróis Anónimos: Jornalismo de Agência", que nos dá a conhecer agências noticiosas, cuja história é, para Mário de Carvalho, um dos autores do livro, um meio fundamentar para "o melhor conhecimento da evolução da sociedade portuguesa".

+ Voz

No penúltimo dia, Diogo Cardoso e Sofia Palma apresentam-nos a reportagem "Juventude em Jogo", que conta a história de três jovens menores que foram levados das suas terras para jogar futebol na Europa. Um projeto quase heroico, que pretende dar a conhecer a história de jovens que por norma "não têm espaço nos media tradicionais". "Contamos estórias que exploram silêncios", é o lema da plataforma de jornalismo de investigação em que a reportagem foi publicada.


O inevitável caminho digital

A semana terminou com o painel "Jornalismo: novos modelos de negócio", moderado pela professora universitária Helena Garrido. Neste ultimo painel David Dinis, Paulo Ferreira, Rute Sousa Vasco e Samuel Alemão falam daquelas que são consideradas por alguns as grandes barreiras ao jornalismo de qualidade: as plataformas digitais. Estamos perante um "panorama digital", e o segredo é adaptarmo-nos e saber adaptar o jornalismo de qualidade a estas plataformas.

Segundo David Dinis, diretor do Público, a questão fulcral é encontrar uma forma do jornalismo digital ter retorno financeiro.

Numa época marcada pela crise dos media tradicionais, a Escola de Comunicação, Arquitetura, Artes e Tecnologias da Informação da Universidade Lusófona promoveu, mais uma vez, o contacto entre alunos e especialistas, para que os primeiros possam compreender o importante "papel da comunicação no seculo XXI, sob o efeito do desenvolvimento acelerado das tecnologias de informação, dos dispositivos de comunicação e esbatimento das fronteiras físicas e disciplinares."

Inês Palma
Comunicação Institucional
Noticias Lusófona