Contacto WhatsApp 963640100

Universidade Lusófona

História e Teoria dos Media

Curso

Artes Performativas e Tecnologias

Grau|Semestres|ECTS

Licenciatura | Semestral | 6

Ano | Tipo de unidade curricular | Lingua

1 |Obrigatório |Português

Total de horas de Trabalho | Tempo de Contacto (horas)

150 | 60

Código

ULHT1639-14382

Disciplinas complementares recomendadas

Não aplicável

Pré-requisitos e co-requisitos

Não aplicável

Precedências

Não

Estágio profissional

Não

Conteúdos Programáticos

1. Determinação genealógica do conceito de «meio».
2. Sentido e objecto de uma "teoria dos media".
3. Crítica sistemática dos meios:
a) Günther Anders: fenomenologia da imagem televisiva;
b) Hans Magnus Enzensberger: constituição de uma teoria dos media.
4. A escola canadiana:
a) Harold A. Innis: o pendor da comunicação;
b) Marshall McLuhan: o meio e a mensagem.
5. Teoria dos meios como novum organum: o contemporâneo
a) Vilém Flusser: escrita e técnica;
b) Jean Baudrillard: a agonia do real;
c) Paul Virilio: excesso e velocidade;
d) Niklas Luhmann: a improbabilidade da comunicação
e) Roger Chartier: do livro ao códex;
f) Mediação e mediatização: sociedade e cultura.

Objetivos

Um dos fenómenos mais marcantes da contemporaneidade é a convergência da cultura e da técnica. De modo crescente, muitos sectores da experiência contemporânea estão a ser substituídos, complementados e articulados pelas tecnologias. Este fenómeno entrou em curso na segunda metade séc. XIX. Mas nova é a possibilidade de traduzir o analógico em digital e a criação de interfaces que liguem a experiência do «real» e o «digital». A noção de medium surge como tentativa de marcar uma nova e emergente forma dessa mediação se processar, tanto a nível teórico, como na sua eficácia sobre o social. Procuramos não só remeter ao domínio instrumental do processo criativo humano e da sua compreensão, mas também ao lugar e suporte onde têm lugar as criações. F. Kittler afirma que os «media determinam a nossa situação», uma genealogia e uma teoria dos media constituem a condição de possibilidade para que a compreensão do humano, em toda a sua expressividade, se efetive no mundo contemporâneo.

Conhecimentos, capacidades e competências a adquirir

Reconhecer os conceitos principais para o pensamento das mediações e da tecnologia
Compreender as diferenças entre pensar, agir e fazer no quadro da tecnologização da experiência
Desenvolver a capacidade de aplicar esses conhecimentos de forma argumentativa e crítica num discurso articulado
Produzir um juízo crítico relativo ao trabalho pessoal e à aplicabilidade dos conceitos fornecidos em contexto criativo
Identificar os principais paradigmas no pensamento das mediações;
Reconhecer as figurações da tecnologia sobre a cultura
Definir os principais conceitos ligados a uma teoria dos media
Analisar os conceitos meios, mediação, técnica, tecnologia, relação «mediato vs. imediato»
Conhecer a genealogia dos meios
Saber determinar as etapas históricas do seu desenvolvimento
Identificar as antíteses teóricas que se produzem nas distintas escolas
Posicionar-se criticamente sobre a história e a teoria dos meios
Posicionar-se sobre a discursividade dos media na atualidade.

Metodologias de ensino e avaliação

Heurística documental, hermenêutica textual, aula magistral, discussão temática, análise de imagem em estudo de
caso. Avaliação: trabalho científico individual (80%); Assiduidade (20%).

Bibliografia principal

ANDERS, Günther, L'Obsolescence de l'homme. Paris, Ivrea, 2002.
BAUDRILLARD, Jean, Simulacros e simulação. Lisboa, Relógio d'Água, 1991.
ENZENSBERGER, Hans Magnus, «Constituents of a Theory of Media». In EISENSTEIN, Elizabeth L., Divine Art,
Infernal Machine. The Reception of Printing in the West from First Impression to the Sense of an Ending.
Philadelphia/Oxford, University of Pennsylvania Press, 2011.
FLUSSER, Vilém, A escrita Há futuro para a escrita. São Paulo: Annablume, 2010.
INNIS, Harold A., The Bias of Communication. Toronto, Toronto University Press, 2006.
McLUHAN, Marshall, Understanding Media. London/New York, Routledge, 2001.
VIRILIO, Paul, Esthétique de la disparition. Paris, Galilée, 1989.
LUHMANN, Niklas, A improbabilidade da comunicação. Lisboa: Vega, 1996.
MITCHELL, W.J.T., «Adressing Media», MediaTropes eJournal, Vol I, 2008, 1-18.
HEPP, Adreas, Cultures of Mediatization. London: Polity Press, 2013.