Contacto WhatsApp 963640100

Universidade Lusófona

Metodologia do Projeto

Curso

Ciência Política e Relações Internacionais

Grau|Semestres|ECTS

Licenciatura | Semestral | 4

Ano | Tipo de unidade curricular | Lingua

3 |Obrigatório |Português

Total de horas de Trabalho | Tempo de Contacto (horas)

100 | 45

Código

ULHT11-11171

Disciplinas complementares recomendadas

Não aplicável

Pré-requisitos e co-requisitos

Não aplicável

Precedências

Não

Estágio profissional

Não

Conteúdos Programáticos

Os conteúdos programáticos da unidade curricular estruturam-se em quatro partes, de acordo com a necessidade da aquisição de conhecimentos apreendidos durante a articulação entre o ensino e a aprendizagem e que, em síntese, têm a seguinte apresentação:
Parte I - Pressupostos de uma metodologia:
- 1 - Introdução aos métodos de investigação de projecto;
- 2 - Identificação da singularidade;
- 3 - Calculo sobre a gestão da complexidade;
Parte II - Metodologia de trabalho:
- 1 - Análise e diagnóstico da situação;
- 2 - Esboço teórico sobre o possível;
- 3 - Encontro dos objectos (real, de estudo, científico e empírico);
- 4 - Determinação das dimensões e variáveis da planificação;
Parte III - Análise do projeto:
- 1 - Verificação dos meios e dos fins;
- 2 - Estratégias para a utilização dos meios;
Parte IV - Condução do projeto:
- 1 - Entre a teoria e a empiria;
- 2 - Entre a lógica e a coerência;
- 3 - Gestão dos resultados.

Objetivos

O objectivo central da unidade curricular, que se encontra no campo científico da ciência política, tem por preocupação criar no aluno o sentido analítico - teórico e metodologicamente orientado - na observação dos factos políticos, sociais, económicos, ideológicos e simbólicos. A estruturação metodológica para a condução dos projectos
impõe-se, em primeiro lugar, pela natureza do trabalho científico e, em segundo lugar, pela contemporaneidade do mundo social onde se encontra uma complexidade promovida pela globalização. Nesta, dá-se a emergência de novos espaços políticos e económicos, que provocam a necessidade de novas estratégias relacionais, implicando novas formas analíticas.
Em síntese:
Preparar os alunos para a definição de projectos e dos seus limites.
Capacitar para a construção da arquitectura conceptual estruturante.
Sistematizar o trabalho com a construção de modelos teóricos e analíticos.
Planear o desenvolvimento do projeto.
Desenvolver o trabalho científico.

Conhecimentos, capacidades e competências a adquirir

As competências adquiridas, para a construção e desenvolvimento de projectos, têm relevância em:
- elaborar estudos, investigação, investigação-acção, intervenção, aplicação, gestão;
- construir diagnósticos - análise, concepção, planeamento e organização;
- compreender problemas, comportamentos, representações, estruturas, mudanças e situações, programas e políticas

Metodologias de ensino e avaliação

Constitui um processo que combina actividades escolares directamente dirigidas à produção do trabalho teórico e metodológico que permitam a execução do trabalho empírico. Assim, terá por fundamento duas áreas articuladas entre si:
A área de formação e debate estruturada a partir de dois tipos de aulas:
1 - as primeiras aulas são teóricas e teórico-práticas, com particular incidência nas questões epistémicas;
2 - as segundas destinam-se ao apoio e debate para a construção dos trabalhos finais, com corpus teórico e metodológico elaborados coerentemente.
Os trabalhos são do conhecimento de todos os alunos; porque serão debatidos, quer para a definição do projecto, quer durante a execução do trabalho.
Avaliação realiza-se com a classificação do trabalho, previamente entregue, compreende:
- 25% para a participação e interesse do aluno, em que se requer propostas de formulação que evidenciem conhecimentos adquiridos (lógica e coerência);
- 75% relativamente ao trabalho final.

Bibliografia principal

- Albarello, L., Gigneffe, F., Hiernaux, J.-P., Maroy, C., Ruquoy, D., Saint-Georges, P. de (2005). Práticas e Métodos de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa : Gradiva.
- Becker, H. (2002). Les Ficelles du Métier. Paris: Éditions La Découverte.
- Boutinet, J.-P. (1996). Antropologia do Projecto. Lisboa: Instituto Piaget.
- Burgess, R. G. (2001). A Pesquisa de Terreno. Oeiras: Celta.
- Deshaies, B. (1997). Metodologia de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Instituto Piaget.
- Fortin, M.- F. (2003). O Processo de Investigação. Da concepção à realização. Loures: Lusociência.
- Gil, A. C. (1999). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Editora Atlas S.A.
- Guerra, I. C. (2006). Pesquisa Qualitativa e Análise de Conteúdo. Sentidos e formas de uso. Estoril: Principia.
- Nunes, A. S. (2005). Questões Preliminares sobre As Ciências Sociais. Barcarena: Editorial Presença.
- Quivy, R. (1998). Manuel De Investigação Em Ciências Sociais. Lisboa : Gradiva.