Contacto WhatsApp 963640100

Universidade Lusófona

História de Portugal Contemporâneo

Curso

Ciências da Educação - Educação Social

Grau|Semestres|ECTS

Licenciatura | Semestral | 5

Ano | Tipo de unidade curricular | Lingua

1 |Obrigatório |Português

Total de horas de Trabalho | Tempo de Contacto (horas)

125 | 45

Código

ULHT75-7204

Disciplinas complementares recomendadas

Não aplicável

Pré-requisitos e co-requisitos

Não aplicável

Precedências

Não

Estágio profissional

Não

Conteúdos Programáticos

I. Abordagem breve da escrita da história (Veyne,1971; Catroga, 2001; Pozo Andrés, 2005).
II. A nova ordem liberal
Do vintismo à guerra civil (1820-1834);
A Constituição de 1822;
A guerra civil (liberais e absolutistas);
III. A Monarquia Constitucional
O modelo político e económico da Regeneração e do Fontismo (1851-1890):
O rotativismo monárquico-constitucional
A emergência do Partido Republicano;
As eleições, o caciquismo, e o sufrágio.
IV. A crise da Monarquia Constitucional e a ascensão do republicanismo
O Ultimato e a reação nacionalista;
A propaganda republicana.
V. A 1.ª República
O labor do Governo Provisório e a construção de um novo imaginário (promulgação da Lei da Separação do Estado e das Igrejas, expulsão dos jesuítas e das ordens religiosas,")
VI. Do golpe de Estado ao "Estado Novo"
Ideologia, mentalidade e mundivisão do regime salazarista;
A trilogia Deus, Pátria e Família, enquanto dinâmica própria do Estado Novo e da educação nacional.

Objetivos

Apresentar com rigor científico, oralmente ou por escrito, o resultado do seu trabalho;
Saber levantar questões e transformá-las em objetos de pesquisa;
Conhecer as principais fontes para o trabalho de investigação histórica, técnicas e conceitos;
Operacionalizar as fases heurística e hermenêutica da investigação em história;
Descobrir e compreender as raízes históricas das questões da atualidade;

Conhecimentos, capacidades e competências a adquirir

Adquirir uma consciência específica da comunidade a que pertence e da responsabilidade de preservar o seu património.
Competências instrumentais: capacidade de leitura, compreensão, análise e avaliação de textos que analisem criticamente a conjuntura política social e cultural dos períodos cronológicos em estudo;
específicas capacidade de pesquisar e fazer o tratamento das fontes e bibliografia relacionadas com os temas em análise;
Competências pessoais: capacidade de gerir de forma autónoma o seu plano de trabalho e de trabalhar e interagir em grupo.

Metodologias de ensino e avaliação

Nas metodologias de ensino, encontram-se aulas teóricas e teórico-práticas. Nas aulas teóricas serão apresentados os conteúdos programáticos pelo docente, recorrendo a diversos dispositivos (power point, vídeos, fontes iconográficas, imprensa, materiais pedagógicos, manuais escolares, etc), estimulando-se os estudantes à participação na reflexão e debate de ideias. Nas aulas teórico-práticas serão trabalhados os conteúdos temáticos do programa, tendo os estudantes que elaborar textos e apresentações orais.
A avaliação funciona como reguladora do processo-ensino aprendizagem e apresenta uma dimensão formativa e global: avaliam-se não só os produtos, mas também os processos e os recursos.
Avaliação semestral:
- podem optar pelo modelo de avaliação contínua ou não continua/exame
- incide sobre saberes teóricos e práticos.
Avaliação contínua: Trabalho individual - 25% ; trabalho de grupo: 25%; frequência: 50%

Bibliografia principal

Adão, Á. (1997). Estado absoluto e ensino das primeiras letras. As escolas régias (1772-1794). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian / Serviço de Educação
Adão, Á. & Gonçalves, M. N (2007). A Instrução pública no Portugal de Oitocentos. Da administração centralizada à gestão periférica. Lisboa: Livros Horizonte.
Bonifácio, M. de F.(2002). O século XIX português. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da U. Lisboa
Brás, J.V. & Gonçalves, M. N. (org.) (2011). O Imperativo Republicano em debate. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas
Brás, J. V. & Gonçalves, M. N. (2009). Os saberes e poderes da reforma de 1905. Revista Lusófona de Educação, 13, 101-121
Catroga, F. (2000). O republicanismo em Portugal - da formação ao 5 de Outubro. Lisboa: Editorial Notícias
Matos, H. (2003). Salazar - A construção do mito. Lisboa: C.L.
Mattoso, J. (1988). A escrita da História - Teoria e métodos. Lisboa: Editorial Estampa
Mattoso, J. (1994). História de Portugal. Lisboa: Círculo