Contacto WhatsApp 963640100

Universidade Lusófona

Observação de Contextos Educativos e Diferenciação Pedagógica

Curso

Ciências da Educação (M)

Grau|Semestres|ECTS

Mestrado | Semestral | 5

Ano | Tipo de unidade curricular | Lingua

1 |Obrigatório |Português

Total de horas de Trabalho | Tempo de Contacto (horas)

125 | 24

Código

ULHT82-3-8934

Disciplinas complementares recomendadas

Não aplicável

Pré-requisitos e co-requisitos

Não aplicável

Precedências

Não

Estágio profissional

Não

Conteúdos Programáticos

1. A Observação Naturalista
1.1. Introdução do conceito
1.2. Finalidades
1.3. Condições para a sua realização
2. A prática da observação de contextos educativos
2.1. Preparação dos observadores
2.2. Registo e análise dos dados da observação
3. Abordagem etnográfica: notas de campo
4. A diferenciação pedagógica: conceito e implicações
5. A diferenciação pedagógica inclusiva: conceito, implicações e práticas

Objetivos

- Promover um posicionamento e um discurso científicos perante problemáticas e contextos.
- Dinamizar a recolha e análise de informação para caraterizar os contextos educativos, usando métodos, técnicas e instrumentos de investigação.
- Proporcionar condições e recursos para o desenvolvimento de atitudes e comportamentos de cooperação com os colegas e de diferenciação pedagógica.
- Criar oportunidades de elaboração, desenvolvimento e avaliação de pequenos projetos à volta das temáticas a estudar

Conhecimentos, capacidades e competências a adquirir

discutir conceitos, tipologias e processos inerentes à observação de contextos educativos e diferenciação pedagógica;
apresentar, em aula, para discussão, produtos decorrentes de pesquisa teórica e empírica referente às temáticas em estudo;
experienciar, em situação real, métodos, técnicas e instrumentos de recolha e tratamento de dados, para caraterizar situações específicas e contextos educativos;
partilhar ideias, experiências e saberes.

Metodologias de ensino e avaliação

Método expositivo para definição e contextualização de conceitos; discussão provocada e orientada pelo docente e pelos discentes sobre as temáticas apresentadas; utilização de power point; exercícios práticos de aplicação das técnicas de recolha e de análise de dados; role-playing; experiência de aplicação da técnica da observação, no terreno; trabalho individual e de grupo, numa ótica cooperativa.
Avaliação: apresentação de trabalhos em aula para exploração de conteúdos (em grupo) (20%); trabalho escrito, com revisão teórica e recolha e análise de dados empíricos (70%); participação nas sessões, assiduidade e pontualidade (10%).

Bibliografia principal

Afonso, N. (2005). Investigação naturalista em Educação. Porto: ASA.
Graue, M. & Walsh, D. (2003). Investigação etnográfica com crianças: teoria, métodos e ética. Lisboa: F. C. G.
Kilpatrick W. (2006). O método de projecto. Viseu: Pedagogo.
Lieberman, A. (1986). Collaborative research: working with, not working on. Educational Leadership, 43(5), 29-32.
Paillé, P. & Mucchielli, A. (2003). L¿analyse qualitative en sciences humaines et sociales. Paris: Armand Colin.
Perrenoud, Ph. (1999). Pedagogia Diferenciada. Das Intenções à Ação. Porto Alegre: Artmed.
Sanches, I. (2011). Em busca de Indicadores de Educação Inclusiva. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas.
Sanches, I. (2011). Do `aprender para fazer¿ ao `aprender fazendo¿: as práticas de Educação inclusiva, na escola. Revista Lusófona de Educação, 19,157-163.
Tomlinson, C. A. (2008). Diferenciação pedagógica e diversidade: ensino de alunos em turmas com diferentes níveis de capacidades. Porto: Porto Editora.