Contacto WhatsApp 963640100

Universidade Lusófona

Teoria da Arquitetura II

Curso

Arquitetura

Grau|Semestres|ECTS

Licenciatura; Mestrado | Semestral | 4

Ano | Tipo de unidade curricular | Lingua

4 |Obrigatório |Português

Total de horas de Trabalho | Tempo de Contacto (horas)

112 | 45

Código

ULHT36-7999

Disciplinas complementares recomendadas

Não aplicável

Pré-requisitos e co-requisitos

Não aplicável

Precedências

Não

Estágio profissional

Não

Conteúdos Programáticos

O entendimento da arquitectura como Arte e a evolução dos conceitos estéticos expõe-se através de um percurso histórico enquadrado no pensamento filosófico do século XIX que valorizou o historicismo e o ecletismo e sua evolução vanguardista no século XX. A temática incidirá sobre os arquitectos franceses utopistas e o seu papel na Revolução Francesa através da simbologia das formas. As teorias de Ruskin e Viollet-le-Duc irão transparecer os novos parâmetros da Teoria de Arquitectura no século XIX e a sua filosofia de argumentação.
A Bahaus, como Escola das Artes Decorativas, será a charneira entre o artista/artesão e assim como o funcionalismo irá ser transparecer os ideais do Movimento Moderno do séc. XX, já experimentado na Escola de Chicago. Os manifestos e as cartas traduzidas pelos CIAM irão definir princípios reforçados na obra teórica de Le Corbusier.O diálogo entre tradição e inovação questiona-se na obra teórica de Robert Venturi fechando o ciclo do Movimento Moderno.

Objetivos

Esta disciplina tem como objectivo aprofundar a ideologia subjacente à prática da arquitectura. A contextualização da Arquitectura na História das Ideias irá contribuir para o melhor entendimento da Teoria e da sua relação com outras áreas do conhecimento. O conhecimento sobre as teorias oitocentistas até afirmação do Movimento Moderno será realizada através da análise de manifestos, utopias, obras arquitectónicas e planos urbanísticos desse período que pretendem levantar questões pertinentes no diálogo entre a Prática e a Teoria.
Procura-se entender a evolução de conceitos entre a Cidade e a escala da arquitectura nesta nova dimensão urbana como uma dos temas de reflexão da nossa actualidade.
Pretende-se acentuar no discurso das aulas teóricas:
- A interacção entre a Tecnologia e Arte na arquitectura.
- A ideologia nas Escolas de Arquitectura e a sua evolução.
- A interdisciplinaridade processual: Arquitectura e Cidade.
- O Passado e o Vanguardismo na concepção da Arquite

Conhecimentos, capacidades e competências a adquirir

Como objectivos gerais pretende-se dotar os alunos de capacidades para:
- Discutir as ideias retratadas em tratados e outras produções teóricas.
- Entender a evolução dos conceitos estéticos que estão subjacentes à arquitectura inseridos em ideais políticos e filosóficos que acompanham o progresso civilizacional da sociedade.
- Capacidade de compreensão sobre o processo de surgimento, consolidação dos discursos arquitectónicos ao longo do séc. XIX e as alterações decorrentes de uma nova filosofia no séc. XX.
- Analisar uma obra através do conceito que lhe está subjacente.
- Conceber um projecto expresso na sua dimensão gráfica fundamentado no conhecimento teórico conceptual.
Procura-se incentivar a investigação em Arquitectura através de trabalhos teóricos que os alunos irão desenvolver sobre a temática desta unidade curricular. A estruturação desses trabalhos e o método de investigação serão instrumentos essenciais para a realização da tese de Mestrado no final do curso.

Metodologias de ensino e avaliação

A disciplina será leccionada através de aulas teóricas que irão incidir na análise de textos teóricos, de manifestos, e de utopias que contenham conteúdos explícitos sobre conceitos arquitectónicos. As obras construídas também serão analisadas, aquelas que pela sua singularidade são ensaios de novas formas e linguagens estéticas.
A avaliação é realizada através de trabalhos a desenvolver durante o período das aulas e acompanhados pelo professor em aulas anunciadas. Serão apresentados dois trabalhos (individual e de grupo), como elementos de avaliação contínua com 75% de presenças segundo o regulamento do MIARQ.
O trabalho de grupo será apresentado em texto e oralmente, e corresponderá a 60% da avaliação contínua incidindo nesta percentagem a participação nas aulas (trabalho - 50% + participação -10%).
O trabalho individual será sobre um tema indicado pelo docente e corresponderá a 40%.
Nos exames, o trabalho de grupo será essencial para avaliação final.

Bibliografia principal

? Conrads, U. (1971). Programs ans Manifestoes on 20th-Century Architecture. Cambridge-Massachusetts: The MIT Press.
Cota: AQ/282-BC
? Frampton, K. (2000). História Crítica da Arquitectura Moderna. São Paulo: Martins Fontes.
Cota: AQ/106-BC
? Leach, N. (1997). Rethinking Architecture: A Reader in Cultural Theory. London/New York: Routledge.
Cota: AQ/192-BC
? Kaufmann, Emil (1978). Trois architectes révolutionnaires: Boullée, Ledoux, Lequeu. Paris: SADG.
Cota: AQ/287-BC
? Le Corbusier (2009) Por uma Arquitectura. São Paulo: Editora Perspectiva.
Cota: AQ/319-BC
? Leniaud, Jean-Michel (1994). Viollet-le-Duc ou les délires du système. Paris : Mengès.
Cota: AQ/128-BC
? Loos, Adolf (2004) Ornamento e crime. Lisboa: Cotovia.
Cota: HA/324-BC
? Ruskin, John (1989). The Seven Lamps of Architecture, Nova York: Dover Publications.
Cota: AQ/414-BC
? Venturi, Robert (2004). Complexidade e Contradição em Arquitectura. São Paulo: Martins Fontes.
Cota: AQ/302-BC