Contacto WhatsApp 963640100

Universidade Lusófona

Prémio AMI - Jornalismo contra a indiferença

Professor do Departamento de Ciências da Comunicação recebeu o prémio AMI

A reportagem de Ricardo J. Rodrigues conta as histórias dos idosos obrigados a trabalhar depois da idade da reforma. Quase 20% dos portugueses entre os 70 e os 74 anos continuam a trabalhar.

O Prémio AMI - Jornalismo Contra a Indiferença destacou com uma menção honrosa o trabalho do jornalista Ricardo J. Rodrigues, para a Notícias Magazine, que conta as histórias de idosos que continuam a trabalhar depois da idade da reforma. "Porque a pensão não chega, porque têm de ajudar os filhos, pagar comida, contas, medicamentos", lê-se na reportagem 'Trabalhos forçados'.

A reportagem Trabalhos forçados retrata a realidade dos portugueses que, após os 65 ou mesmo os 70 anos, continuam a trabalhar. Quase 20% dos portugueses entre os 70 e os 74 anos permanecem ativos. Leia a reportagem inteira, que valeu a atribuição da menção honrosa do prémio atribuído pela AMI a Ricardo J. Rodrigues.

Os vencedores do prémio são Catarina Gomes, do jornal Público, com as suas reportagens Perdeu-se o pai de José Carlos e Lepra - Órfãos de Pais Vivos, e, em ex-aequo, Pedro Miguel Costa, da SIC, com a reportagem Faz de conta que é uma casa.

Recebem também menções honrosas, além de Ricardo J. Rodrigues da Notícias Magazine, Miriam Alves, da SIC, com o trabalho O Labirinto de Soraia, e Sílvia Caneco, do jornal i com os trabalhos Carolina, 15 anos, voltou a ser vítima de abusos; Bloggers querem ajudar Carolina a ter uma casa nova, Carolina, duas vezes vítima de abusos, tem finalmente uma casa nova e Ministério da Educação reabre investigação à antiga escola de Carolina.

Trata-se da 17.ª edição do Prémio AMI - Jornalismo Contra a Indiferença, que é destinado a destacar trabalho jornalístico que represente "uma contribuição válida para que a indiferença dos poderes de opinião pública não permitam cobrir com um manto de silêncio situações intoleráveis", lê-se no site da organização não-governamental AMI (Assistência Médica Internacional).

O prémio teve como júri o presidente da AMI, Fernando Nobre; as vencedoras da edição anterior, Ana Sofia Fonseca (SIC) e Rita Colaço (Antena 1); a amiga da AMI, Paula Sarmento; e ainda Maria José Mata, pela Escola Superior de Comunicação Social.

O prémio vai ser entregue na tarde de terça-feira, no final do Colóquio AMI: Jornalismo Contra a Indiferença, que está integrado nas comemorações do 30o aniversário da organização.