Contacto WhatsApp 963640100

Universidade Lusófona

A posição do Desporto e Educação Física na sociedade

Faculdade de Educação Física e Desporto em sessão sobre o mercado de trabalho e formação académica

Dia 25 de novembro, a Universidade Lusófona, através da Faculdade de Educação Física e Desporto (FEFD) organizou a conferência Mercado de Trabalho e Formação Académica em Educação Física e Desporto após "Bolonha".

Foi com orgulho nos 25 anos de sucessos que acompanham a Faculdade, que Jorge Proença, diretor da FEFD, abriu a sessão. Na conferência foram abordados temas como,o mercado de trabalho na área da educação física e do desporto que tem vindo a crescer devido à exploração e aperfeiçoamento dos diversos setores da área e a importância da formação académica da mesmarelativamenteao Processo Bolonha.

Processo Bolonha

O Processo Bolonha iniciou-se em maio de 1998, sendo oficializado em junho de 1999. Numa perspetiva de política educativa este decreta um conjunto de etapas a serem dados pelos sistemas de ensino superior, com a finalidade o conciliar globalmente.

A ideia base é possibilitar a qualquer estudante o direito de iniciar a sua formação académica em qualquer estabelecimento de ensino superior, de concluir a sua formação e de obter um diploma europeu autenticado em qualquer universidade de qualquer Estado membro.


A luta da Educação Física e Desporto

Durante a conferência, foi inevitável não referir a ainda resistência e "preconceito" no que toca a ver e aceitar a Educação Física e o Desporto como área de estudo e profissão por parte da sociedade, visto que esta área ainda tem pouco reconhecimento pela mesma.

Um dos motivos apontados para esta resistência, deve-se ao facto de ser uma atividade que envolve um pouco mais a parte prática do que a teórica, o que faz com que as pessoas pensem que não exige esforço mental. Mas o que não se justifica uma vez que o corpo e a mente são elementos cuja ligação é fortíssima. O corpo não se move sem a "autorização" da mente, assim como a mente é influenciada pelo estado físico do corpo.

Logo, o Desporto e a Educação Física também merecem respeito como qualquer outra profissão ou área de estudo.

"A tradicional fraca formação académica de muitos agentes desportivos, incluindo alguns treinadores, com uma visão muito pouco educativa da prática desportiva, vai alimentando o preconceito e dificultando a consciencialização e pleno usufruto suas enormes vantagens de uma Educação Física e Desporto correctamente orientados", afirma o professor Jorge Proença.

Questionado sobre como a Lusófona tem conseguido superar este preconceito, o professor responde: "o segredo é simples: só mais e melhor informação, documentada e dando o exemplo pode esbater ou superar o preconceito. Claro que isso é tanto mais difícil quanto ele tiver raízes profundas e extensas. É o caso das práticas corporais, em geral, nomeadamente a Educação Física e o Desporto. Quem nunca viveu a extraordinária riqueza da prática desportiva, mais dificilmente compreenderá que não há performance desportiva sem pensamento. É a compreensão da realidade que nos permite melhorá-la, através do trabalho, da organização, de todo o tipo de intervenções; do exemplo, fundamentalmente".


Um dos objetivos desta conferência foi afirmar a importância do desporto e o seu valor social, assim como a empregabilidade do mesmo que tem vindo a crescer.

A conferência contou com a participação do moderador e professor catedrático da Universidade Lusófona, Francisco Carreiro da Costa e os oradores Gilles Klein, da Universidade de Toulouse e Secretário Geral da World Sports Alliance United Nations; Vicente Gambau, professor daUniversidad de A Coruña; Marcos Onofre, professor da FMH/UL e vice-presidente da EuropeanPhysicalEducationAssotiation e o professor José Curado, diretor do Instituto de Treino Desportivo e docente da Lusófona e vice-Presidente para a Europa do Internacional Council for CoachingExcellence.

Também estiveram presentes na conferência o reitor e professor da ULHT, Mário Moutinho;o vice-presidente da IPDJ, Vítor Pataco e o vice-presidente do Comité Olímpico de Portugal,Artur Lopes.

A medalha dos 25 anos

Na sessão, Jorge Proença distinguiu com medalhas dos 25 anos, docentes da Universidade Lusófona, professores Mário Moutinho e José Curado, que, com muitos anos de muita dedicação e competência, têm contribuído para o sucesso da Educação Física e Desporto da Lusófona. ¿É a materialização do mérito e reconhecimento devidos e, ao mesmo tempo, sinalizar exemplos de professores e profissionais aos nossos estudantes, em primeiro lugar, e a toda a comunidade académica e desportiva, de modo geral¿, declara o diretor da FEFD.

Yauri Neto
Comunicação Institucional
Notícias Lusófona